19 ago 2016

Escolinha: o que perguntar durante as visitas

Por Fabiana Bellentani

Comentei no primeiro post da série que, no meu entendimento, o processo de escolha da escolinha ou berçário ideal envolve quatro “etapas” de conhecimento: algumas considerações prévias, aquilo que precisamos observer durante nossos contatos e visitas, tudo que devemos perguntar à coordenação da escola e algumas considerações finais.

Hoje é dia de falar sobre o considero essencial questionar à escola para termos uma decisão bem embasada.

20160819_Escolinha_O_que_perguntar_durante_a_visita

Horários

Em casas em que papai e mamãe trabalham o dia todo fora, a primeira preocupação é saber quais as opções de tempo de permanência da criança no berçário ou escolinha, o horário de funcionamento da instituição e o que acontece se houver algum atraso para pegar o bebê.

Cada escola funciona de um jeito. Algumas não aceitam atrasos, outras cobram alguma taxa para ficar com a criança por um período adicional e outras têm uma tolerância maior.

A Carolina, por exemplo, fica até o último horário de saída da escolinha e já aconteceu uma duas ou três vezes de atrasarmos na hora de pegá-la. Lógico que ligamos e avisamos, mas não tivemos nenhum problema.

Formação e preparo da equipe

Procure saber qual a formação das professoras e assistentes, se têm experiência, etc. Atualmente, a maioria das escolas tem as professoras com graduação e pós-graduação em pedagogia e as assistentes em processo de formação.

Proposta pedagógica

Existem quatro linhas pedagógicas aplicadas pelas escolas em geral: a tradicional, a construtivista, a Waldorf e a montessoriana. Cada uma possui uma proposta de ensino própria, que, na minha opinião, tem suas vantagens e desvantagens.

Atualmente, a maioria das escolas propõe uma linha que mescla um pouco de cada método de ensino. Mas mesmo assim, sempre existe uma que é predominante.

Questione e informe-se para saber se a proposta da escola está de acordo com o que vocês querem para seu filho. Mesmo que ele sendo um bebê agora, daqui a pouco ele já estará desenvolvendo seu intelecto e a linha seguida pela escola interferirá, inclusive, na época em que seu filho começará a ser alfabetizado.

Atividades da escola

Pergunte quais atividades a escola realiza durante o dia, se existem recreações em áreas externas, se as turmas (de mesma faixa etária e faixas etárias diferentes) têm contato entre si, se existe um cronograma pré-estabelecido de recreação para estímulo, etc.

Rotina

No quesito rotina, o importante é saber se a que você aplica em casa será seguida pela escola ou se a escola aplicará a rotina deles, com horários pré-estabelecidos para as crianças dormirem, etc.

É lógico que não é possível, por exemplo, ter horário diferente de alimentação por criança. Mas, para o soninho, é. No berçário é mais comum as escolinhas serem flexíveis quanto à rotina, mas quando a criança vai para os grupos da educação infantil, normalmente a instituição fixa um padrão.

Na escolinha da Carol, por exemplo, noto que as crianças que ficam período integral acabam seguindo a rotina de sonecas estabelecida pela escola. Mas, neste caso, não vejo tanto prejuízo, pois a criança provavelmente passa o dia todo na instituição.

Quem fica meio-período, como a Carol, não dá muito para seguir a padronização escolar. A Carol acorda mais tarde e quando chega na escola, seus amiguinhos de classe estão acordando da soneca pós-almoço. Ela não vai dormir nesse horário porque ainda não deu tempo de ter sono. Mas, se às 17h00, ela quiser, a escola a coloca para descansar na salinha de sono, juntamente com outras crianças que também têm seu relógio biológico ajustado de outra forma.

Datas comemorativas

Algumas escolas não comemoram Dia dos Pais e Dia das Mães. Se seu sonho, no entanto, é participar dessas celebrações, analisem direitinho o quanto esse quesito é importante para sua família.

Canal de comunicação entre pais e escola

Pergunte como vocês serão informados sobre o que acontece com seu filho diária e periodicamente. Existe uma agenda para anotações quanto à alimentação, sono, evacuação, etc? E as reuniões escolares são com que frequência? São coletivas e/ou individuais? Se houver alguma dúvida, reclamação ou sugestão, qual canal deve ser utilizado?

Semana que vem vou comentar sobre as considerações finais, que, para mim, são tão importantes quanto as que falamos hoje. São aspectos que, se não observados pelos pais no momento da escolha da escola, poderão, posteriormente, influenciar o lado psicológico da criança.

Deixe um comentário