4 mar 2016

Medidas de proteção e repelentes infantis contra o Zika Vírus

Por Dra. Maria Fernanda Giacomin

Atualmente nos deparamos com doenças transmitidas por mosquitos, como Dengue, Chicungunya e Zika, que tem o aedes aegypt como vetor. Precisamos, portanto, proteger as crianças contra as picadas e também nos preocupar com a proliferação dos criadouros, que contribuem para a manutenção do ciclo vital do mosquito. Seguem algumas orientações quanto às medidas de proteção e uso de repelentes em crianças.

20160304_Medidas_de_proteção_e_repelentes_infantis_contra_o_Zika_Vírus_01

Medidas de Proteção

  1. Como o Brasil é muito quente e impraticável usar calças e blusas de manga comprida, prefira colocar nas crianças roupas claras. O uso de perfumes pode atrair alguns insetos e deve ser evitado. Existem no mercado algumas roupas tratadas com substâncias repelentes, boa opção para passeios.
  2. Nos períodos do nascer e do pôr do sol, as janelas e portas devem ficar fechadas e com protetores de telas e mosquiteiros vedados o que reduz a entrada de mosquitos, principalmente o aedes que atacam com maior frequência de manhã e final da tarde. Manter ambientes refrigerados com ar condicionado é uma forma altamente eficaz de manter mosquitos afastados do recinto.
  3. O uso de mosquiteiros e telas com permetrina é altamente recomendado para crianças, sendo seguro também para gestantes. As telas com permetrina podem ser usadas em ambientes externos para proteção de carrinhos de bebê, berços, redes, bebê-conforto, com produtos comerciais já desenvolvidos e adequados em tamanho para cada um desses objetos, eficaz para crianças menores de 6 meses.
  4. Os repelentes de tomada são úteis e diminuem a entrada dos mosquitos quando colocados próximos das janelas e portas, porém tem seu tempo limitado. Podem ser ligados quando a criança não estiver no quarto, longe do berço ou da cama, porque podem ser prejudiciais à saúde. Deve-se tomar cuidado com ingestão acidental.
  5. A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, sacos plásticos e lixeiras.

Uso de repelentes nas crianças

Os repelentes tópicos podem ser usados para passeios em locais com maior número de insetos como praias, fazendas e chácaras. Atuam formando uma camada de vapor com odor que afasta os insetos. Sua eficácia pode ser alterada por alguns fatores como concentração da substância ativa, por substâncias exaladas pela própria pele, fragrâncias florais, umidade, gênero (menor eficácia em mulheres), de modo que um repelente não protege de maneira igual a todas as pessoas.

Há várias formas de apresentação dos produtos: aerossol, gel, loção e spray. Na Tabela abaixo estão expostos os principais produtos disponíveis no Brasil, com a descrição dos princípios ativos e com tempo de ação estimado.

O uso de óleos naturais como soja, andiroba e citronela tem alguma eficácia, porém evaporam rápido e protegem por pouco tempo. Abaixo seguem algumas informações sobre os princípios ativos e evidências quanto ao tempo de eficácia.

  • DEET é o repelente mais eficaz atualmente disponível. Quanto maior a concentração da substância, mais longa é a duração da proteção sem toxicidade relevante. Para uso habitual, altas concentrações não são necessárias. Deve-se, entretanto, considerar situações de altas temperaturas, umidade, chuva, área com grande chance de transmissão de doença e dificuldade de reaplicação seriada. Formulações de liberação prolongada permitem boa proteção com menor quantidade de repelente. Para exposições demoradas, recomenda-se o uso de produtos com maior concentração e não a reaplicação seriada de produtos com menor quantidade de princípio ativo.
  • IR 3535: em concentração de 20%, é eficaz contra o aedes por um período de quatro a seis horas. Pode ser usado por gestantes, pois possui bom perfil de segurança.
  • Icaridina: é um novo e promissor repelente derivado da pimenta, indicado pela OMS para viajantes, juntamente com o DEET. Em concentração de 10%, confere proteção por um período de três a cinco horas e, a 20%, de oito a dez horas. Sua ação é comparável a concentrações de 15-50% de DEET, mas permite reaplicações em intervalos maiores de tempo. Após dez horas de exposição, é mais eficaz que o DEET e o IR 3535.

Como se proteger do mosquito

Recomendações do uso em crianças

  • Evite o uso próximo a mucosas (boca, nariz, olhos, genitais) ou em pele irritada ou ferida. Para uso na face, primeiro aplique o produto nas mãos e então espalhe no rosto com cuidado. NUNCA aplicar na mão da criança para que ela mesma espalhe no corpo. Elas podem esfregar os olhos ou mesmo colocar a mão na boca.
  • Não use sob vestimentas
  • Evite usar em conjunto com protetores solares, espere 30 min para aplicar o repelente após o protetor
  • Não permitir que a criança durma com o repelente aplicado. Apesar de seguro se usado corretamente o repelente é uma substância química e pode causar reações alérgicas ou intoxicações na criança quando utilizado em excesso.
  • A apresentação em loção cremosa é mais segura do que a apresentação em spray e deve ser preferida nas crianças.

Referência:

  • Sociedade Brasileira de Pediatria · Repelentes de insetos: recomendações para uso em crianças / Rev Paul Pediatr 2009; 27(1): 81-9.

Deixe um comentário